Ajude-nos!

Administrar a Igreja Evangélica Santo dos Santos é um trabalho muito intenso e abençoado, porém não deixa de ser complicado e difícil, temos contas e compromissos como em qualquer outro trabalho. E, por isso pedimos que colabore com R$ 10,00 ou mais se puder.

terça-feira, 9 de agosto de 2016

O triste ‘fim de carreira’ de Paulo Henrique Amorim

INTERVENÇÃO MILITAR é o nome que todos temem pronunciar, mas é a única
via saudável para a recuperação do Brasil. (ely silmar vidal)

O jornalista Paulo Henrique Amorim prenuncia Moro como 'um fracasso
retumbante'.
Sinceramente, perdeu definitivamente a noção do ridículo. Mais que isso,
perdeu o respeito pela sociedade e detonou com o que lhe restava de
credibilidade, indiscutivelmente o maior patrimônio para quem milita na
área da comunicação.
O bom jornalista, independente de suas relações pessoais, não pode
criticar por criticar, ou criticar para justificar seus ganhos. Tem que
primar pela coerência e não tentar impor as suas vontades.
Mesmo como jornalista, Paulo Henrique Amorim tem todo o direito de amar
o Lula e odiar o juiz Sergio Moro. Tem todo o direito de elogiar o Lula.
Tem também o direito de criticar Moro. Isto não se questiona.
Mas daí, considerar Moro como 'um fracasso retumbante' é desrespeitar a
esmagadora maioria da sociedade, que o aplaude. É tapar os olhos para um
trabalho fantástico comandado pelo magistrado, que já apresentou
resultados práticos, ou seja, a devolução de bilhões e bilhões de
dólares para os cofres públicos, dinheiro roubado do povo brasileiro e
recuperado pela Operação Lava Jato.
O vídeo encenado por Amorim é patético e deve ser considerado como uma
grande piada. Assim como a piada em que ele próprio se transformou neste
seu retumbante fim de carreira.
Amanda Acosta - redação@jornaldacidadeonline.com.br
Assista o vídeo:
[youtube=https://www.youtube.com/watch?v=i8K9ZEmVUEc&feature=youtu.be]
Postado dia: 30/01/2016 QRCode